Modelo de Projetos Arquitetônicos Sustentáveis: Museum of Fire in Żory

Arquitetos: OVO Grabczewscy Architekci

Localização: Zory, Polônia

Arquitetos responsáveis: Barbara Grabczewska, Oskar Grabczewski

Área: 642,0 m2

Ano do projeto: 2015

Fotografias: Tomasz Zakrzewski / archifolio

 

Descrição de texto fornecida pelos arquitetos. A história do Museum of Fire começou quando nos pediram para projetar o pavilhão de exposições que deveria promover a cidade de andory e para mostrar suas ofertas para recém-chegados, turistas, parceiros e investidores também.

O pavilhão deveria estar situado com destaque em um local exposto perto da principal via de acesso à cidade. A trama tinha muitas desvantagens, especialmente um grande número de infra-estruturas subterrâneas que deixavam apenas um pedaço de terra muito estranho e irregular para se construir.

Durante muito tempo, não pudemos chegar a nenhuma solução razoável. Começamos a estudar de novo e de novo a comissão. Nós estávamos procurando o fator crucial que deveria definir o design – a idéia principal.

O nome da cidade – Żory significa “fogo”, “queimado”, “chamas”. No século XII, quando foi fundada a floresta, a floresta foi queimada para criar espaço livre para a nova cidade. Esta tradição ainda está viva – há um Festival de Fogo no verão, e o logotipo da cidade é uma pequena Chama.

Ficou óbvio para nós que um edifício deveria parecer um incêndio. A forma estranha no enredo de repente começou a se assemelhar a chamas dançantes. A ideia começou a se cristalizar.

O edifício é composto por três paredes independentes que “nadam” uma ao lado da outra. Sua composição e formas cobertas com placas de cobre lembram chamas dançantes. Espaços entre as paredes são totalmente envidraçados, formando entradas para o pavilhão. As paredes são feitas de concreto arquitetônico, cobertas no exterior com cobre e deixadas intactas no interior. O chão é pavimentado com pedra preta e continuou para os elementos ao ar livre.

Durante a construção, quando o solo foi escavado, nosso cliente veio com a ideia de usar o espaço subterrâneo para colocar ali um grande salão de exposições. Foi assim que surgiu a ideia de que todo o edifício deveria se tornar o Museu do Fogo.

Finalmente, o prédio tem três entradas. Existe uma sala multifuncional e recepção / informação no rés-do-chão e uma sala de exposições no subsolo. Com banheiros e salas técnicas, o programa está completo.

Paisagismo intensivo é em torno do Museu. O edifício e a paisagem trabalham em conjunto criando uma simbiose de espaço que consiste no próprio Museu, caminhos pedestres que atravessam o pavilhão e caminhos verdes. Existe um Jardim de Fogo previsto – um espaço de exposição ao ar livre ao longo da estrada nacional número 81 que será usado durante o Festival do Fogo.

Esta notícia não é de autoria da GreenEng Brasil, sendo assim, os créditos e responsabilidades sobre o seu conteúdo são do veículo original. Para acessar a notícia em seu veículo original, clique aqui.